6.3.10

aguarela, aguarela

Olha para o céu e diz-me o que vês:
estrelas cintilantes maiores do que o sempre,
meu pincel e minha água
junto com minhas tintas de aguelarela.
Sim, tenho o céu como tela,
e estrelas como imaginação,
sairam-me directamente do coração
onde um dia já nadaste,
juntos com minhas tintas,
de aguarela, em minha tela, suja de desejo.
Custumava ser uma pintura limpa e feliz,
mas sujaste-a com os teus tons negros.

Agora faz-me um favor,
não voltes nunca, meu amor.

11 comentários:

  1. « Sim, tenho o céu como tela,
    e estrelas como imaginação, » ; AMEI *__*

    Sim, milagres acontecem mesmo .

    ResponderEliminar
  2. é como o coração fica, assim de vez em quando, o coração fica que nem míseros pedaços de poemas. assim de vez em quando.

    gosto tanto de ti

    ResponderEliminar
  3. "é para o que dá", exactamente ahahaah, ´exactamente para o que me dá.
    ai di tu hoje sorriste-me mas parecias tão desanimada, partiu-me o coração. (e olha que ele só por si já é frágil). cuida de ti que eu cuido do teu coração, yes sweet?

    ResponderEliminar
  4. adorei mesmo :) sentido. *

    ResponderEliminar
  5. quando as cores são claras e belas efectuam-se misturas. Quando chegam a preto já é difícil retornar o branco ou o mais fogoso vermelho.
    - ele que vá, que se vá embora de ti.
    Mereces melhor, certo? :P

    VOU SEGUIR (LL)

    ResponderEliminar
  6. está lindo (:
    vou seguir, beijinho. **

    ResponderEliminar
  7. adorei mesmo, que belo poema cheio de amor e sentimentos ^^

    ResponderEliminar
  8. Muito obrigada querida.
    : ) gostei muito do teu blog, tmb vou seguir.

    ResponderEliminar
  9. que bonito. que bem que escreves (:

    ResponderEliminar

Liberdade de Expressão